sexta-feira, 20 de outubro de 2017

MUDANÇA DE ESTACÃO

Em tempo de mudança... A terra se recolhe em descanso secreto E as folhas são levadas pelo vento Aquelas que não voam, jazem agora Espalhadas pelo chão É hora de finalizar o ciclo Proteger a terra, preparar-se para a brotação
Acho que nesse tempo ainda não fiz tudo o que eu queria Porque na vida sempre há muita interrupção Ao pensar nisso
sorrio... As interrupções são uma espécie de questionamento O que é mais importante o caminho ou o destino? Ora, não se pode chegar a lugar algum de mãos vazias É preciso pausa para fazer a comida Dividir as palavras Comer o pão Lamber as feridas. O recomeço é deveras dolorido, e pode até em muitos casos
Sangrar Eu sei que um dia passa Porque tudo, um dia sempre passa E que não passe o nosso amor Porque a vida sem amor É qualquer coisa sem graça. O céu agora manda uma lembrança Porque a água que cai em minha face É chuva Limpando-me da poeira da estrada Amenizando as minha rugas O que me leva a pensar na existência do criador Não que eu duvidasse disso antes Mas nesse momento me regozijo Na certeza de que aconteça o que acontecer De qualquer um que chegue cair antes do tempo Nem sempre vai morrer. Era tempo de lembrança E quando já me esquecia do que era viver Vem a mudança de estação Me trazendo as folhas secas, que apesar do outono lá fora Fez meu coração se encher de flores E gratidão.

Guerreira Xue

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A PALAVRA PELA PALAVRA

Bem dita a palavra
De palavras apalavrada
Dita a palavra maldita
Boa palavra a bendita
Maldita palavra a desdita

Tem a palavra que é dita
Há a palavra que é sussurro
Tem a palavra que não dita
Tem palavra que é zurro
E tem palavra que grita

Existe palavra que se evita
Palavra que se procura
Também a palavra que agita
A palavra que faz cura
E a palavra que te levita

Tem palavra que acorrenta
Como também a que emancipa
Tem a palavra que te mata
E aquela que ao ser pronúnciada
Te ressuscita

Bem diga a palavra
Porque essa será sempre bendita

terça-feira, 12 de setembro de 2017

O Dom

Já que o que a vida me trás eu não recuso
A perda também faz parte do uso
Nada é mais eterno que as gentes
E durante o tempo necessário é presente
Tens o dom amiga, de sorrisos florescentes
Elemento que se sustenta permanentemente

Guerreira Xue